13 fevereiro, 2011

TEXTO DA BRUNA


Aluna: Bruna Graziela
2º Período
Cuidado a arte da Enfermagem                

            Uma das histórias que apresentei é a de Manuela, uma jovem de 16 anos que ao visitar sua prima em uma Clinica de Paripiranga, que havia dado a Luz a sua filhinha, encontrou uma mulher solitária que também acabava de ter ganhando seu bebê. Ela percebeu no olhar da mulher muita tristeza e como não estava com acompanhante resolveu ir conversar com ela, nesse momento iniciou uma amizade, sentimento de carinho e cuidado dessa jovem por essa mulher, (imagino eu que o sentimento foi recíproco). Ela cuidou do seu filhinho e conversou com a moça para que ela não ficasse sozinha e triste num momento tão importante de sua vida. Com o passar das horas sua prima teve alta e a moça também, o que poderia ter acontecido era que Manuela fosse embora, pois quem ela foi visitar já não estava na Clinica, porem, resolveu ficar e esperar até que alguém fosse buscar a mulher que morava em outra cidade e assim aconteceu, o carro chegou e levou a Moça e sue bebê para sua casa. Manuela ficou com um sentimento muito bom, de prazer, missão cumprida, pois ajudou e cuidou de uma pessoa que nunca tinha visto e que necessitava de carinho e cuidado.
          Segundo Leininger (1991) apud Waldow (2008, p. 39) “o cuidado é universal, significando que todas as pessoas no mundo cuidam e são cuidadas, ou melhor, desenvolvem hábitos e comportamentos de cuidar de uma forma ou de outra, em determinadas circunstancias”. 
          Isso fica claro na história de Manuela e de todas as histórias que foram apresentadas em sala de aula, com isso percebemos a importância do cuidado em sua plenitude.
         De inicio o cuidado era assumido pela Igreja, cristãos praticavam a caridade cuidando uns dos outros, mulheres se dedicavam a cuidar, sendo que cuidava do espírito, do ser, o cuidado ao corpo seria uma conseqüência (WALDOW, 2008).
          Depois com o inicio da industrialização o cuidado passou a ser visto de forma fechada, voltada para procedimentos hospitalares e sua essência foi aos poucos desaparecendo. Com isso, a atividade da Enfermagem se aproximou cada vez mais de atividades médicas, se importando apenas na cura (WALDOW, 2008). Dessa forma a Enfermagem perdeu sua essência, porque de acordo com Heidegger apud Waldow (2008, p. 74) “o cuidado na Enfermagem é a sua essência, a sua condição existencial, pois sem o cuidar a Enfermagem não existe”.
          Precisamos desenvolver e estimular nas pessoas a arte do cuidar, e devemos como futuras Enfermeiras enraizar em nosso ser essa arte. Isso pode acontecer hoje se essas pessoas que cuidam se preocuparem em passar essa atitude para os outros e se nós dermos o exemplo através do nosso comportamento de Enfermeiros.
          Rios (2003, p.128) apud Waldow (2008, p. 65) “o ideal é aquilo que ainda não existe, mas que pode vir a existir, exatamente porque há possibilidade de se descobrirem, ou se criarem, no real, as condições de sua existência”.

REFERÊNCIA:
WALDOW, Vera Regina. Bases e princípios do conhecimento e da arte da enfermagem. Petrópolis, RJ: Vozes, 2008. – (Série Enfermagem)

Um comentário:

Luciana Cerqueira disse...

De fato a arte de cuidar deve ser enraizada pelos enfermeiros numa luta constante para que sua atuação não beire a banalização do processo saúde-doença. Ressalto que é de suma importância esse cuidado, uma vez que o indivíduo está debilitado fisíco e psicologicamente. O profissional deve ser humanizado,colocar a cabeça e o coração na tarefa a ser desenvolvida e criar uma realidade mais humana

O texto escrito por Bruna expõe de maneira simples e clara a importância de mudanças frente aos profissionais, por levantar questionamentos a respeito da necessidade de inovação dos conceitos sobre assistência em enfermagem e implantar uma assistência humanizada, deixando de buscar as características relacionadas a problemas burocráticos, estruturais e técnicos, mas sim a uma questão que envolva atitudes, comportamentos, valores e ética moral e profissional, um profissional inovador e comprometido com a sua profissão.